Topo

10 medidas radicais, mas eficientes para economizar na crise

Comente

O Brasil enfrentou nos últimos anos uma de suas piores crises econômicas, e por mais que a situação tenha dado indícios de melhora nos meses mais recentes, não dá pra dizer que os brasileiros já possuem motivos pra comemorar.

Os índices de desemprego continuam altos, as taxas de juros seguem assustadoras em diversas áreas e a inflação ainda pode fazer doer o bolso de muita gente. Diante dessas circunstâncias, a vida financeira virou uma espécie de “salve-se quem puder”, onde cada um se vira como pode para tentar manter a saúde do bolso.

Esse novo cenário pressupõe, naturalmente, muito bom senso na hora de economizar, até porque poupar dinheiro exige muitas vezes algumas mudanças radicais, tanto de hábitos quanto de filosofia de vida.

E como pra quem pretende adotar esse caminho, toda ajuda é bem-vinda, resolvemos apresentar uma lista de atitudes até certo ponto drásticas – porém, eficientes – que podem ser tomadas por uma pessoa na hora de buscar uma economia maior. Confira!

Atitudes importantes para economizar em tempos difíceis

images-1

Downgrade no plano de internet

O Brasil tem uma internet que está entre as mais caras – e lentas – do mundo. Mas você realmente precisa pagar os planos mais caros entre os que estão disponíveis no mercado? Se ficou em dúvida com essa pergunta, é possível que um downgrade no plano de sua internet não seja algo tão inviável assim.

Para quem não trabalha online e não costuma gastar muito tempo diariamente acessando a web por um laptop, por exemplo, um pacote mais barato pode ser a saída para a economia de algo em torno de R$ 30 a R$ 40 por mês.

Isso representaria uma poupança de no mínimo R$ 180 a cada seis meses. Para eventuais pesquisas e acesso diário às redes sociais, um plano barato tende a ser suficiente.

Redefinir prioridades alimentares

A alimentação tende a consumir uma grande parcela dos ganhos mensais de uma família. Para quem precisa economizar, portanto, uma das saídas é tentar enxugar o orçamento na hora das compras.

Por vezes pode ser preciso abrir mão de comer picanha todo final de semana para recorrer a um corte de carne mais barato, ou deixar de consumir produtos gourmet para recorrer a itens mais tradicionais. Além disso, também pode ser interessante deixar de lado os supérfluos, que costumam inflar o valor das compras.

Para quem precisa de ajuda na hora de adotar um hábito alimentar barato – mas ainda assim rico em nutrientes – a dica é recorrer a um nutricionista, que é quem pode ajudar nessa missão. E na falta de dinheiro para procurar um profissional da área, uma alternativa é procurar atendimento gratuito em faculdades.

Abrir mão do status bancário

Muita gente busca manter o status bancário a qualquer custo, mas até que ponto isso vale a pena? Será é realmente válido ser um cliente premium e continuar a passar por perrengues financeiros no decorrer do mês? Se a resposta pra essas perguntas for não, aí está uma outra solução para uma boa economia mensal.

Muitos planos bancários considerados de elite, geram para o cliente uma considerável taxa de manutenção, o que também é conhecido como pacote de serviços. Migrar para um pacote de Serviços Essenciais ou recorrer a uma Conta Digital, são duas das maneiras de evitar esse tipo de gasto. No fim de um ano a economia pode ultrapassar a casa dos R$ 1.000.

Cortar ou limitar o cartão de crédito

E já que estamos falando em serviços bancários, não podemos deixar de mencionar o cartão de crédito. Embora esse possa ser um recurso muito útil no dia a dia, a verdade é que ele também pode comprometer parte do orçamento mensal com as chamadas taxas de anuidade, que muitas vezes podem variar de R$ 200 a R$ 1.200,00.

Além dos gastos de manutenção do cartão, há também o fator emocional relacionado a ele, o que muitas vezes motiva uma pessoa a comprar por impulso utilizando o crédito disponível, algo que na prática é o gasto de um dinheiro que ainda não se tem.

O melhor nesse caso é cortar o mal pela raíz, ou seja, abrir mão de ter um cartão de crédito. E pra quem não pode se dar a esse “luxo”, a ideia é tentar no mínimo reduzir o limite disponível para se obrigar a gastar menos a cada mês.

Evitar compras parceladas

Com ou sem cartão de crédito, o hábito de comprar parcelado é algo bastante presente na vida dos brasileiros. Esse tipo de atitude, no entanto, costuma comprometer bastante o orçamento doméstico.

Dito isso, não basta abrir mão do cartão e continuar comprando parcelado. Quem pretende economizar de fato, deve se reeducar para evitar a todo custo as compras no famoso “carnê”.

Leia também:

Evitar restaurantes

Se as compras mensais já tendem a comprometer uma boa parte do orçamento, a ideia de comer em restaurantes pode elevar ainda mais os gastos de uma família.

Dito isso, e considerando um objetivo de se livrar de dívidas, um dos esforços possíveis é abrir mão de comer fora por um tempo, e isso inclui também os lanches diários. Cada real economizado tende a ser de grande importância no final do mês.

Mudar de academia

A academia está consumindo um alto percentual dos seus recursos? Pode ser a hora de procurar uma opção menos badalada e igualmente eficiente para dar sequência aos treinos. Se você não encara a academia como ponto de encontro, mas sim um espaço para a prática de exercícios, é muito possível encontrar uma academia que oferece um bom custo x benefício.

Negociar desconto no aluguel

A crise atingiu diversos setores da economia, e o mercado imobiliário foi um dos não saíram ilesos. Para quem mora de aluguel, portanto, uma dica muito válida é tentar renegociar o valor mensal pago pela moradia.

Um bom inquilino que costuma pagar em dias, não deve encontrar muitos problemas na hora de conseguir uma redução no preço do aluguel, até porque para o proprietário, a ideia de manter no imóvel alguém que ele já conhece pode ser mais interessante que deixar o lugar vazio à espera de um novo inquilino, que no fim das contas ainda pode lhe trazer problemas no futuro.

Carona para o trabalho

O aumento no preço do combustível se tornou um grande problema para boa parte dos brasileiros. A verdade, porém, é que pouca gente buscou alternativas para contornar a situação, e não foi por falta de opções.

Uma das ideias, por exemplo, seria abrir mão do veículo na hora de ir e voltar para o trabalho. E como o transporte público não costuma ser uma opção viável em muitas regiões do país – seja pelo custo ou pela deficiência do setor – o interessante é conseguir uma carona.

Essa estratégia tende a ser válida principalmente para quem mora no mesmo bairro de um colega de trabalho. Além da economia, essa mudança pode trazer uma melhoria na saúde e qualidade de vida, já que isso pressupõe uma caminhada até a casa do amigo que vai oferecer a carona.

Trocar de carro

O mercado automobilístico brasileiro conta hoje com uma enorme variedade de carros e marcas. Diante disso, quem possui um modelo com alto custo de manutenção, pode considerar a ideia de vender esse modelo, comprar um mais barato e economizar uma boa grana no decorrer dos meses.

A ideia nesse caso é considerar a compra de modelos com custo de manutenção reduzido, o que inclui peças mecânicas mais baratas, menor consumo de combustível e até melhores valores de IPVA e seguro.


Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Oi, Bem-vindo!

Acesse agora, navegue e crie sua listas de favoritos.

Entrar com facebook Criar uma conta gratuita 
Já tem uma conta? Acesse agora: