Topo

Sou viciado em sexo? Especialistas debatem tema do filme 'Ninfomaníaca'

Comente

O cinema é uma arte capaz de encantar o público e gerar expectativas até mesmo no menos ansioso dos indivíduos, e graças a essa arte, inúmeros talentos tem sido revelado ao grande público desde muito tempo, e um dos grandes destaques da atualidade, sem dúvida, é o emblemático cineasta Las Von Trier.

Sou viciado em sexo? Especialistas debatem o tema do filme “Ninfomaníaca”

especialistas-debatem-sobre-filme-ninfomaniaca

Depois de ter deixado o público angustiado para ver o filme Melancolia, o cineasta Las Von Trier novamente veio a deixar seu público intrigado com mais um assunto polêmico, característica que, aliás, sempre foi um de seus pontos fortes. Em seu novo filme o cineasta traz a tona uma história falando de um novo transtorno, dessa vez, a dependência sexual. O título não poderia ser mais sugestivo: Ninfomaníaca.

Leia também:

O longa foi dividido em partes e a primeira já foi exibida no Brasil, a previsão para a segunda parte do longa está para março desse ano.

A dependência sexual no cinema

A dependência sexual já foi tratada em diversos filmes na grande tela, e sempre foi um assunto rodeado de mitos e segredos, levando o público a acreditar muitas vezes que a pessoa com esse tipo de transtorno trata-se de alguém sem caráter, o que sabidamente é apenas um dos muitos preconceitos estabelecidos na sociedade.

Bem diferente disso, a dependência sexual se trata de uma compulsão que a pessoa não consegue dominar, pelo que, é relativamente simples diferenciar uma pessoa compulsiva de um que apenas gosta de sexo.

O transtorno compulsivo sexual

Um paciente com esse transtorno acaba não tendo uma vida social normal, sendo capaz de abrir mão do horário de almoço, deixar de ir ao trabalho, ou deixar tudo o que está fazendo para procurar um parceiro sexual. Em caso de não encontrar um parceiro, a vítima do transtorno compulsivo sexual prefere masturbar-se a abrir mão do prazer.

Tentações sexuais irresistíveis?

O que estimula um dependente sexual é o mesmo que estimula qualquer pessoa normal, os impulsos são exatamente os mesmo, podendo ser somente um pouco mais intenso. O que diferencia a pessoa com transtorno de qualquer outra pessoa é a relação com esse impulso, ou seja, quando o dependente se depara com uma tentação, ele tem a compulsão de realizar o ato. Essa característica forte do transtorno proporciona ao indivíduo uma sensação de falta de liberdade, falta de controle e falta de escolha.

A opinião de especialistas

De acordo com psicólogos, quanto mais o dependente tem relações sexuais ou se masturba, mais ele quer repetir o ato. O transtorno pode ser comparado ao de um dependente químico, que quanto mais se entorpece, mais necessita da substancia química. A única diferença é que uma pessoa com transtorno não precisa de droga ou álcool para ter uma descarga hormonal.

Homens e mulheres com dependência sexual

Quando uma mulher tem dependência sexual, ela recebe o nome de ninfomaníaca, referindo-devido a essa disfunção, já no caso do homem com esse tipo de transtorno dá-se o nome satiríase.

Esse tipo de compulsão obsessiva é bastante comum no sexo masculino, tanto que, no proad 95% dos casos atendidos são homens. As mulheres, mesmo quando dependentes, acabam criando em conjunto uma necessidade afetiva, o que as levam a participar de grupos de apoio como o “Mada”(Mulheres que amam de mais).

Primeiros sintomas da dependência sexual

É muito bom esclarecer que ninguém se torna compulsivo da noite para o dia, ou por assistir pornografia em excesso. Tanto o homem quanto a mulher dependente sexual, desenvolvem o comportamento no final da adolescência ou no inicio da vida adulta. No caso de um idoso começar a ter o comportamento compulsivo sem ter dado sinais antes, deve-se analisar se ele não está passando por um quadro de demência.

Explicações para a dependência sexual

Não há um fator que explique o comportamento em sua totalidade, mas existem fatores que podem estar relacionados. De acordo com alguns estudos um desses fatores pode dizer respeito a um distúrbio de neurotransmissores, nesse caso, normalmente a compulsão vem associada à outra como vício por comida, compra ou jogos.

Não existe cura para esse comportamento, mas há um tratamento que possibilita ao paciente a aquisição de um maior controle sobre seus impulsos sexuais.


Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Oi, Bem-vindo!

Acesse agora, navegue e crie sua listas de favoritos.

Entrar com facebook Criar uma conta gratuita 
Já tem uma conta? Acesse agora: