Topo

10 mitos e verdades sobre o Azeite e as frituras

Comente

Nem sempre as pessoas se preocupam com a dieta mais adequada à saúde da maneira que deveria, entretanto, é fato que algo comum entre a maioria dos indivíduos é a falácia acerca do quão importante é a alimentação saudável. Isso por vezes acaba levando algumas pessoas a tentarem uma dieta equilibrada, mas, diante da quantidade de informações a que são bombardeadas por parentes, amigos e até mesmo mídias duvidosas, ficam sem saber exatamente o que é melhor.

Dentre o turbilhão de informações que se tem acerca de alimentos saudáveis, o azeite de Oliva chama a atenção, principalmente por ser um dos mais aclamados elementos quando o assunto é vida saudável, e talvez justamente por causa de suas propriedades e popularidade é que muitas informações desencontradas foram ganhando vida com o passar dos anos, dando margem para que surgissem mais mitos que verdades a seu respeito, por isso, nesse artigo, trataremos de mostrar algumas das principais informações errôneas e verídicas que têm sido propagadas em relação ao azeite de Oliva.

10 mitos e verdades sobre o Azeite e as frituras

mitos-e-verdades-azeite-e-fritura

Mitos sobre o Óleo de Oliva

Primeiro mito sobre Óleo de Oliva: É mais saudável para frituras

Esse é um mito bastante comum a muitas famílias, entretanto, o fato é que as frituras não são sequer recomendáveis com esse tipo de Óleo, pois são do tipo monoinsaturados, que além de ter seu custo elevado, ainda acaba perdendo totalmente suas propriedades nutritivas quando em contato com o calor. Ao invés de óleo de oliva, o mais recomendado para frituras são mesmo os do tipo poli-insaturados a exemplo do óleo de milho e o óleo vegetal.

Segundo Mito sobre o Azeite de Oliva: Ajuda a emagrecer

Esse é outro mito bastante comum, e que deve ser dissipado o quanto antes, em hipótese alguma uma gordura poderá ser elemento auxiliar ao emagrecimento, assim sendo, de maneira nenhuma o azeite poderá auxiliar nesse tipo de objetivo.

Terceiro Mito sobre o Azeite de Oliva: Pode ser ingerido deliberadamente

Sabidamente tudo que é utilizado ou ingerido de maneira excessiva costuma ser prejudicial, e por mais benéfico que determinado alimento possa ser, seu uso poderá ainda assim trazer malefícios, o que se aplica também ao caso do azeite, que apesar de possuir nutrientes importantes ao organismo, deve ser consumido de maneira moderada.

Quarto Mito sobre o Azeite de Oliva: O composto e o comum são a mesma coisa

Uma confusão extremamente difundida é essa, na verdade o azeite composto é uma mistura de dois ou mais tipos de óleos de origem vegetal, ou seja, o chamado azeite composto na verdade não é o puro azeite de Oliva, sendo recomendado à saúde o tipo comum que em tese é o puro Óleo de Oliva.

Quinto Mito sobre o Azeite de Oliva: Pode ser substituído pelo azeite de Dendê

Acreditar que o óleo de Oliva pode ser substituído pelo Azeite de Dendê é um erro grave, isso porque o azeite de Dendê é extremamente calórico além de ser substancialmente carregado de gorduras saturadas, sendo deveras prejudicial à saúde. Ao invés dele o ideal é optar por óleos do tipo de Girassol, canola ou mesmo o de Oliva.

Sexto Mito sobre o Azeite de Oliva: Quanto mais velho melhor

Esse é um mito que não tem o mínimo fundamento, o azeite de Oliva deve ser sempre consumido dentro de seu tempo hábil, por isso assim como a maioria dos alimentos deve estar dentro do prazo de validade para que esteja hábil para consumo.

Verdades sobre o Azeite de Oliva

Azeite de Oliva é saudável

Essa é uma das poucas verdades que são ditas acerca do Azeite de Oliva, ele de fato é composto de inúmeros nutrientes capazes de produzir resultados positivos em relação à saúde. Um dos benefícios do azeite de oliva é ser rico em ácidos graxos monoinsaturados, possuindo baixa quantidade de saturados, algo que o torna favorito ao controle do colesterol maléfico, e favorável ao aumento dos níveis de colesterol benéfico.

Além dos benefícios já mencionados o azeite de Oliva é capaz de fornecer ao organismo ainda uma grande quantidade de antioxidantes capazes de agir combatendo os radicais livres no corpo, resultando assim em uma proteção extra contra o envelhecimento das células.

Óleo de oliva aquecido é prejudicial

Essa é uma grande verdade em relação ao Azeite de Oliva, apesar de ele ser altamente benéfico, quando exposto a altas temperaturas acaba perdendo todas as suas propriedades, não obstante, existe uma tese de que quando aquecido ele passe por um processo de composição de radicais livres que dentre outros fenômenos pode ser capaz de auxiliar no desenvolvimento de células cancerígenas.

Azeite extra virgem é mais saudável

Essa é de fato outra verdade que deve continuar sendo difundida entre as pessoas, o azeite extra virgem é mais saudável justamente por possuir menores níveis de acidez o que denota a pureza do mesmo. Estima-se que um Azeite de Oliva extra virgem possua tão somente cerca de 1% de acidez em sua composição, enquanto que muitos dos que são somente “virgens” chegam a ultrapassar a soma de 2%, portanto, o ideal é que sempre que possível seja dada preferência aos azeites extra virgens.

Azeite de Oliva ajuda no combate à gordura visceral

Embora não possa ser diretamente responsabilizado por perca de peso, uma pesquisa recente realizada em universidades Europeias, observou que pessoas que foram diariamente submetidas a ingestão diária e regular de azeite de oliva obtiveram uma significativa redução nos níveis de gorduras localizadas na região abdominal, esse é o tipo de gordura que torna a pessoa mais propensa à contração de doenças como diabetes e problemas cardiovasculares.


Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!

Oi, Bem-vindo!

Acesse agora, navegue e crie sua listas de favoritos.

Entrar com facebook Criar uma conta gratuita 
Já tem uma conta? Acesse agora: