Mãe, Fui Brincar de Astronauta

Essa mensagem já foi acessada por 1884 pessoas.

Comente

Quando eu provar o sabor das nuvens,
Me lambuzar na aquarela boreal do cosmos
E tingir de cores a massa negra universal
Eu volto.

Não sem antes chegar ao fim,
Ao limite do infinito,
A fronteira entre o tudo e o nada,
Para contemplar o verdadeiro vazio.

Nadarei por entre as raias orbitais:
Derivando, velejando e divagando,
Apostando corrida com foguetes
A bordo de meu táxi-lunar.

Agora, só desço daqui amarrado.
Viagem sem volta só de ida:
Sem prazo nem tempo certo.
O jantar que me espere!

Cadê a graça que estava aqui?
Me sinto tão sozinho...
Aqui tem tanto Espaço...

E como que num passe de mágica
Voltarei pra casa por uma passagem secreta:
Um buraco-negro


  • Autor: Mário Piccarelli









Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!