Um Tal Beija-flor

Essa mensagem já foi acessada por 3128 pessoas.

3.00 / 5 - 7
Comente

Quando o desejo me arrebatou, os estímulos eriçaram a pele e os pelos se erigiram, o insensato coração a eles se conectou; e sem aviso, me envolveu nesta sequência. Mas, como a rosa ainda era botão, o instinto me aconselhou a esperar o desabrochar da flor, me fazendo escravo do enlevo e servo da irrigação. Porém, no seu primeiro exalar, um atrevido e bicudo beija-flor roubou de mim, o pólen daquela, pela qual, o ritmo dos batimentos tanto oscilou na ansiedade pelo momento residente e flutuante do vaivém viçoso das ancas, que por caprichos alheios, o meu estame não inaugurou.









Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!