Horas Rubras

Essa mensagem já foi acessada por 11651 pessoas.

3.22 / 5 - 9
Comente

Horas profundas, lentas e caladas Feitas de beijos sensuais e ardentes, De noites de volúpia, noites quentes Onde há risos de virgens desmaiadas… Ouço as olaias rindo desgrenhadas… Tombam astros em fogo, astros dementes. E do luar os beijos languescentes São pedaços de prata p'las estradas… Os meus lábios são brancos como lagos… Os meus braços são leves como afagos, Vestiu-os o luar de sedas puras… Sou chama e neve branca misteriosa… E sou talvez, na noite voluptuosa, Ó meu Poeta, o beijo que procuras!


  • Autor: Desconhecido






Comentários (0) Postar um Comentário

Nenhum comentário encontrado. Seja o primeiro!